Serviços

  • Qualidade Biológica
  • Determinação de indicadores de qualidade biológica em sistemas interiores (Rios e Albufeiras), de transição e costeiros no enquadramento nos princípios da Directiva Quadro da Água (DQA) (2000/60/CE) para a avaliação do estado ecológico das águas superficiais. Todos os parâmetros são executados em conformidade com a DQA, com a excepção do Zooplâncton (norma).

    Fitoplâncton

    O fitoplâncton é composto por organismos unicelulares microscópicos com capacidade fotossintética que vivem em suspensão na coluna de água e que podem ser solitários ou coloniais. A comunidade fitoplanctónica apresenta elevada sensibilidade a alterações de pequena escala nas condições ambientais. A degradação da qualidade ecológica está associada ao incremento da biomassa fitoplanctónica, às alterações na composição taxonómica e abundância dos grupos presentes e ao aumento da frequência e intensidade de florescências fitoplanctónicas.

    Análises:
    - Pesquisa
    - Quantificação e identificação de fitoplâncton total
    - Quantificação e identificação de cianobactérias
    - Quantificação de clorofila a e feopigmentos
    - Biovolume de cada espécie e total

    Métricas:
    Concentração de Clorofila a, Biovolume Total, % de Biovolume de Cianobactérias, Índice de Grupo de Algas (IGA)

    Implementação de estudos de monitorização:
    - ETA`s - Avaliação da eficiência na remoção de fitoplâncton.
    - Aquaculturas – Avaliação do fitoplâncton como alimento, problemas de eutrofização.

    Zooplâncton

    O Zooplâncton consiste numa comunidade de pequenos organismos heterotróficos que vive em suspensão na coluna de água em águas doces, salobras e marinhas. Grande parte destes organismos possui ciclo de vida curto, havendo uma resposta rápida em relação a mudanças ocorridas no ambiente (por exemplo mudanças climáticas, concentração de nutrientes ou pH, poluição aquática). As alterações na abundância e composição das comunidades zooplanctônicas em função de variações do meio podem ser usadas como indicador biológico para avaliação da qualidade da água.

    Análises:
    - Pesquisa
    - Quantificação e identificação

    Métricas:
    Índices de diversidade

    Fitobentos (Diatomáceas)

    As diatomáceas são um grupo de algas unicelulares caracterizadas por possuirem uma parede celular siliciosa (frústula). Estas algas são extremamente sensíveis a contaminantes orgânicos e inorgânicos e a alterações químicas da água (nutrientes, salinidade). Estas variações do meio promovem a alteração da composição da comunidade de diatomáceas, nomeadamente ao nível da diversidade e biomassa.

    Análises:
    - Identificação e quantificação

    Métricas:
    -Índices de diversidade;Indices diatomológicos (TDI- índice trófico de diatomáceas)

    Macroinvertebrados bentónicos

    A comunidade de invertebrados bentónicos apresenta uma elevada riqueza taxonómica, incluindo anelídeos, moluscos crustáceos e insectos (sobretudo em fase larvar). Devido à sua mobilidade limitada e vivendo em sedimentos onde se acumulam poluentes, os organismos bênticos podem reflectir as condições ambientais locais. Os diferentes níveis de tolerância a contaminantes das diversas espécies da comunidade de invertebrados permitem que este grupo seja indicador de alterações ambientais e do impacto de contaminantes.

    Análises:
    - Identificação e quantificação

    Métricas:
    índices de diversidade.

    Deteção de Cianotoxinas e Ficotoxinas

    Os microrganismos fotossintéticos desempenham um papel importante no funcionamento dos ecossistemas aquáticos porque estão envolvidos em grande parte da produção primária e constituem a base das redes tróficas. No entanto, estes microorganismos também podem ser prejudiciais, pois muitas espécies são capazes de produzir toxinas que ameaçam a saúde humana e animal. Em ecossistemas de água doce esta perturbação deve-se sobretudo às cianobactérias e suas cianotoxinas e afeta principalmente a produção de água para consumo e o uso de água para atividades recreacionais. Em ecossistemas marinhos, o principal risco relaciona-se com o consumo humano e animal de organismos contaminados (nomeadamente mariscos) com ficotoxinas. Os principais produtores destas toxinas são os dinoflagelados que constituem a base alimentar de alguns crustáceos, assim como de alguns peixes filtradores e, principalmente, de moluscos bivalves,como conquilhas, mexilhões ou amêijoas. Os inúmeros eventos de intoxicação que resultam do consumo de água contaminada ou do consumo de alimentos contaminados têm levado a programas de monitorização para o rastreio de microorganismos potencialmente tóxicos e suas toxinas.

    Análises:
    - Deteção e quantificação de cianotoxinas e ficotoxinas por imunoensaio ELISA (Enzyme Linked Immuno Sorbent Assay):

    Cianotoxinas:
    - Microcistinas (Hepatotoxinas)
    - Nodularinas (Hepatotoxinas)
    - Cilindrospermopsinas (Citotoxinas)
    - Saxitoxinas (Neurotoxinas)
    - Anatoxina-a (Neurotoxinas)
    - BMAA (Neurotoxinas)

    Ficotoxinas:
    - Saxitoxinas (Intoxicação paralisante por marisco - PSP)
    - Ácido Ocadaico (Intoxicação diarreica por marisco - DSP)
    - Ácido Domóico (intoxicação amnésica por mariscos - ASP)
    - Brevetoxinas (Intoxicação neurotóxica por marisco - NSP)

    Deteção de Pesticidas

    O uso de intensivo de pesticidas na agricultura tem resultado na ocorrência de resíduos destes químicos e dos seus produtos de transformação em águas.

    Análises:
    - Deteção e quantificação por imunoensaio ELISA (Enzyme Linked Immuno Sorbent Assay):

    • Atrazina
    • Diurão
    • Glifosato
    • Alacloro
    • Ácido diclorofenóxiacético (2,4-D)
    • DDT/DDE

    Métricas:
    índices de diversidade.

    Os restantes descritores biológicos (Macrófitos, Fauna Piscícola) e hidromorfológicos (metodologia River Habitat Survey) obrigatórios para a avaliação ecológica das águas superficiais segundo a DQA são assegurados por especialistas externos.

  • Ecotoxidade
  • Nos ensaios ecotoxicológicos/bioensaios organismos de uma determinada espécie são expostos a diferentes diluições de uma amostra para a avaliação da toxicidade – concentração de efeito CE50 ou concentração letal CL50. Estes ensaios podem ser agudos ou crónicos, de acordo com a sua duração e efeito observado.

    Os ensaios ecotoxicológicos aplicam-se às seguintes amostras:
    - Águas superficiais;
    - Águas residuais urbanas e industriais;
    - Lamas de ETAR`s;
    - Resíduos de origem industrial;
    - Sedimentos (Lixiviados).

    Ensaios

    - Microcrustáceos:

    • Daphnia magna (OECD test n. 202 - CL50;48h)
      (OECD test n. 211 - CE50; 21d; Reprodução)
    • Artemia salina (ASTM E729 - 96 - CL50;48h)

    - Algas

    • Anabaena flos-aquae (OECD test n. 201 - CI50; 72h; Crescimento)
    • Selenastrum capricornutum (ISO 8692:2004 - CI50; 72h; Crescimento)

    - Peixes

    • Danio rerio (OECD test n. 203 - CL50;96h)

  • Monitorização microbiológica de ETAR`s
  • O sistema de Lamas Ativadas representa um dos processos biológicos mais utilizados no tratamento de águas residuais. Este tratamento biológico baseia-se na oxidação da matéria orgânica por bactérias aeróbias, controlada pelo excesso de oxigénio em tanques de arejamento. A análise da microfauna, como indicador do desempenho e eficiência das ETAR, é frequentemente aplicada nos estudos biológicos das Lamas Ativadas. O cálculo do Índice Biótico de Lamas (IBL) permite avaliar a qualidade das Lamas e o seu nível de actividade biológica.

    Análises (Lamas de ETAR`s):
    - Avaliação da microfauna.
    - Determinação do Índice Biótico de Lamas (Sludge Biotic Index – SBI).

  • Avaliação de impacte ambiental e monitorização
  • Estudos de avaliação de impacte ambiental na sua componente biológica, de obras públicas e privadas, tais como: pontes, estradas, estações de tratamento de resíduos, industriais e urbanizações.

  • Consultoria ambiental
  • Apoio científico e tecnológico no combate de problemas ambientais; estudo do funcionamento de ecossistemas terrestres e aquáticos; diagnóstico de situações de alteração do equilíbrio dos ecossistemas.

  • Formação
  • Formação inicial ou aprofundada em áreas da Biologia e suas tecnologias destinada a técnicos envolvidos no tratamento de águas, quer de consumo quer residuais e a técnicos responsáveis pela monitorização de ecossistemas aquáticos.

    Praceta Artur Marques, nº37
    4470-079 Maia

    Telm: 917610240
    Tel/Fax: 223389153

    Email: nostoc.geral@gmail.com

    Nostoc © 2015 | Powered by Alwayswell & Tiago Correia | Designed by Nostoc